”“Não compartilho meus pensamentos achando que vou mudar a cabeça de pessoas que pensam diferentemente. Compartilho meus pensamentos para mostrar às pessoas que já pensam como eu, que elas não estão sozinhas.” (autor não identificado)

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Ilha de Vera Cruz, Terra de Santa Cruz, ...

O Brasil é um pais sui generis. É o único no mundo que comemora, com feriados nacionais, duas datas que remetem à sua independência (o 7 de setembro e o 21 de abril) e ainda comemora, também com um feriado nacional, a data da proclamação da república (o 15 de novembro). Temos aí um verdadeiro balaio de gatos. No entanto, a data do seu nascimento oficial - a data do seu "descobrimento" - não é comemorada, nem feriado é.

Como entender isso, se por aqui comemora-se o aniversário de tudo, até de buraco na rua já tivemos comemoração.

Uma explicação para a falta de interesse dos brasileiros pelo 22 de abril, pode residir no fato de que a Pedro Alvares Cabral nunca tenha-se atribuído o status de herói. A própria história oficial colabora para isso, quando diz que Cabral partiu de Portugal com missão destinada às Índia e chegou ao litoral de Pindorama por acaso.

Outra explicação pode estar no sentimento de repulsa ao colonizador, que se perpetua entre nós. O Brasil não passou a existir com a chegada da frota portuguesa. Muitas sociedades indígenas, organizadas já fazias pulsar a vida em Pindorama. Miniza-se assim o feito dos portugueses.

Decorridos 516 anos desde que o marujo português gritou "terra a vista", mais um 22 de abril passa sem sequer uma homenagem dos poderes da República, ocupadíssimos.

O executivo, com a viagem da presidente aos Estados Unidos, onde participará da cerimônia de assinatura do Acordo de Paris sobre Mudança do Clima, na Organização das Nações Unidas, e com a enorme preocupação com o impeachment da presidente, praticamente irreversível, não tem tempo para pensar em uma coisa dessa que já aconteceu a tanto tempo.

O legislativo - Câmara e Senado - o primeiro saindo de uma das fases do processo de impeachment da presidente e segundo entrando nas fases finais desse processo , não colocou a assunto da ordem do dia.

O Judiciário, cheio de pompa e circunstância, e com seus membros elegantemente paramentados, este mesmo é que não iria perder seu precioso tempo com essa baboseira de portugueses sujos e fedorentos misturados com índios nus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário